segunda-feira, 4 de julho de 2011

Filosofighters: As grandes batalhas da filosofia



Algumas perguntas são tão difíceis de serem respondidas que pensadores passaram milênios 
se digladiando para encontrar alguma resposta. Nesse vale-tudo de idéias, não tem certo ou errado. Escolha aqui seu lado.


Mundo
Neste ringue, tudo que inquieta a alma humana. Muita gente já quebrou a cabeça para entender - literalmente


Cada um por si
Deus contra todos


A disputa mais antiga de todos os tempos: Deus existe?


Santo Agostinho X Nietzsche




Para os filósofos da igreja católica, é claro que Deus existe, pois o tudo não pode vir do nada. Alguém tem que ser o responsável pelo mundo e por todas as coisas que nele contém – e esse é Deus. Simples assim, golpe certeiro.



O Niilismo alemão contra milênios de fé cristã! 
“Todos os deuses são mortos”, dizia Nietzsche.
Ele afirmava que os humanos são seres sem consciência de sua pequenez, sua vida passageira, que se acham o máximo por ter um intelecto. Para ele foi essa inteligência medíocre que inventou o deus que conhecemos.

Equilíbrio de forças
Todos os homens são iguais?

Alguns são mais iguais do que outros?


Locke X Aristóteles
 



Para os iluministas, os homens são absolutamente iguais. Segundo John Locke, a igualdade é tanta que, se alguém for tratado de maneira diferente, ele tem o direito de se rebelar e partir para a luta. Nocaute na discriminação.





Aristóteles acreditava que homens robustos são predispostos ao trabalho braçal, mas não tem capacidade intelectual ou moral. Esses estariam destinados à escravidão e a agressões já os magrelos e nerds nasceram para estudar e comandar a política.

Vale tudo no vale-tudo?
Somos realmente livres?

Dois filósofos testam todos os limites da liberdade.


Aristóteles X Sartre 




Aristóteles dizia que o homem é livre desde que nada impeça ou limite essa liberdade. Ou seja , assim como no vale tudo, não Vale furar o olho, o homem é livre só dentro das regras.


Mas Jean-Paul Sartre contra ataca: para ele, somos tão livres que podemos até escolher furar as regras porque podemos nos responsabilizar pelas conseqüências e ser punidos.

A luta do Bom contra o mau

O homem nasce bom, e a sociedade o estraga?
Ou a espécie humana não tem jeito?



Rousseau X Hobbes 




Na floresta, o homem era bom e vivia na natureza, sem guerras. Até que alguém criou a propriedade privada e a sociedade. Daí para frente ficamos competitivos e egoístas. Pelo menos é o que dizia Jean-Jacques Rousseau.





Thomas Hobbes acaba de vez com a luta: para ele, a competição e a noção de que o mais forte vence são inerente a natureza humana. Desse modo, não poderíamos ter criado um mundo sem brigas.

Uma batalha sem sentido
Para que tudo isso?
 
A nossa vida tem sentido?

O poder esmagador da raça humana!


Para Kant, a vida na Terra tem sentido. Mas não para os indivíduos, só para o homem como espécie. Quer dizer, já que o homem é o único ser racional, sua função na Terra é pensar e produzir conhecimento.





Mas Platão não desiste. Para ele, o propósito não existe, mas não está ao alcance dos homens, já que fica no mundo das idéias (aquele mundo paralelo que ele criou no qual tudo era imutável e perfeito).


Por Gabriel Gianordonali, Karin Hueck, Marcella Charter, Gabriel Goes, Frederico Di Giócomo e Daniel Apolinário.
Fonte: Revista Super Interessante edição 293 - julho/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário