sexta-feira, 16 de setembro de 2011

versos soltos e afogados






Sem colocar pedrinhas nos bolsos, afogo-me.
Cada instante de pensamento é um sufoco. 
Um golpe. Um mergulho.
Porque tocar no fundo quer dizer ter água acima da cabeça. 
Alguém já disse isso antes, foi perto do coração selvagem, foi ela mesma, ela que me escuta até debaixo d´água.
Sem colocar pedrinhas nos bolsos, afogo-me.
Cada pensamento é um desencontro. 
Um desespero.
Passam horas passam dias passam meses passam anos, o telefone nas mãos, as palavras prontas, as desculpas, as passagens, tudo pronto. 
E não me movo.
Estou no fundo mais do fundo do fundo do aquário, intacta, muda, coberta de água.
Pudera eu chorar todas as tristezas do mundo, pudera eu te trazer pra perto sobrevoando minhas lágrimas.
Te chamo todos os dias todas as noites. 
Te chamo em canto em prece em sombra em água.
Meus lábios cobertos de conchas selos projetos promessas.
Prometo.
Promete?
Que nossa distância seja ilusão apenas.
Te desejo desde os tempos imemorais.


Texto dedicado à ele.
(quanto mais amo mais calo)

Fonte:aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário