segunda-feira, 24 de outubro de 2011



Fiz o caminho sem tomar direção, sem saber do caminho. Pé por pé, pé por si. Deixei que o caminho me escolha. Na travessia, só silêncio. O nenhuns-nada. O alegre, mesmo, era a gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma.

(Guimarães Rosa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário