quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O que existia, existe, entre nós, é uma ciência do desaparecimento

O cheiro do amor vedado que abandonáramos pela paisagem na nossa pré-história. Chamo-lhe amor para simplificar. Há palavras assim, que se dizem como calmantes. Palavras usadas em série para nos impedir de pensar. O que existia, existe, entre nós, é uma ciência do desaparecimento.
Inês Pedrosa in Fazes-me falta

Nenhum comentário:

Postar um comentário