segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Há começo para a educação, mas não há fim.


A criança, o jovem o adulto tem que ser educados, reeducados, auto-educados, desde o nascedouro até o momento em que as faculdades físicas e mentais permitirem. Há começo para a educação, mas não há fim.

Nada é tão benéfico ao temperamento quanto o estudo das belezas da humanidade, seja a poesia, a literatura, a antropologia, a filosofia, a psicologia, a sociologia, a música ou a pintura. Estas proporcionam certa elegância de sentimento e as emoções que excitam são suaves e ternas. Libertam a mente das pressões dos negócios e dos interesses imediatos, e levam aos recônditos da alma humana; estimulam a reflexão, predispõem o espírito à tranqüilidade. E uma delicadeza de gosto é favorável à amizade por não limitar a nossa escolha a menos pessoas, e por nos tornar agradáveis à companhia e à conversação da maior parte dos homens.

Roberto de Barros Freire in: Dez proposições para uma filosofia simples
Décima proposição: A política de educar pg. 89 e 93

Nenhum comentário:

Postar um comentário