domingo, 19 de fevereiro de 2012

Pudesse eu repartir-me e encontrar minha calma dando a Arlequim meu corpo e a Pierrot a minh’alma!

Carnaval de Arlequim, do pintor espanhol Joan Miró.





Em qualquer terra em que os homens amem.
Em qualquer tempo onde os homens sonhem.
Na vida.






BEIJO DE ARLEQUIM I


O crescente cintila como uma cimitarra. Lírios longos, grandes mãos
brancas estendidas para o luar, bracejam nas pontas das hastes. Uma
balaustrada. Uma bandurra. Um Arlequim. Um Pierrot E, sobre as
máscaras e os lírios, a volúpia da noite, cheia de arrepios e de aromas.

ARLEQUIM diz: Foi assim: deslumbrava a fidalga beleza da turba nos salões da Senhora Duquesa.
Um cravo, em tom menor, numa voz quase humana, tecia o madrigal de uma antiga pavana. Eu descera ao jardim. Cheirava a heliotrópio e vi, como quem vê num vago sonho de ópio, uma loura mulher...


PIERROT


Loura?


ARLEQUIM
Como as espigas...
Como os raios de sol e as moedas antigas...Notei-lhe, sob o luar, a cabeleira crespa, 
anca em forma de lira e a cintura de vespa, um cravo no listão que o seio lhe bifurca,
pezinhos de mousmé, olhos grandes, de turca... A boca, onde o sorriso era como uma abelha, recendia tal qual uma rosa vermelha.


PIERROT


Falaste-lhe?


ARLEQUIM


Falei...


PIERROT


E a voz?


ARLEQUIM


Vaga e fugace.
Tinha a voz de uma flor, se acaso a flor falasse...


PIERROT


E depois?


ARLEQUIM


Eu fiquei, sob a noite estrelada, decidido a ousar tudo e não ousando nada...
Vinha dela, pelo ar, espiritualizado numa onda volúpia, um cheiro de pecado...
Tinha a fascinação satânica, envolvente, que tem por um batráquio o olhar duma serpente... e fiquei, mudo e só, deslumbrado e tristonho, sentindo que era real o que eu julgava um sonho! Em redor o jardim recendia.
Umas poucas
tulipas cor de sangue, abertas como bocas, pela voz do perfume insinuavam perfídias...


Tremia de pudor a carne das orquídeas... Os lírios senhoreais, esbeltos como galgos, 
abriram para o céu cinco dedos fidalgos fugindo à mão floral do cálix longo e fino.
Um repuxo cantava assim como um violino e, orquestrando pelo ar as harmonias rotas, desmanchava-se em sons, ao desfazer-se em gotas! Entre a noite e a mulher, eu trêmulo hesitava: se a noite seduzia, a mulher deslumbrava!
Dei uns passos
Ao ruído agitou-se assustada. Viu-me...


PIERROT


E ela que fez?


ARLEQUIM


Deu uma gargalhada.


PIERROT


Por que?


ARLEQUIM


Sei lá! Mulher...Talvez porque ela achasse ridículo Arlequim com ar de Lovelace...
Aconcheguei-me mais: “Deus a guarde, Senhora!”
- Obrigada. Quem és?
- “Um arlequim que a adora!”


Vinha do seio dela, entre a renda e a miçanga, um cheiro de mulher e um cheiro de cananga. Eram os olhos seus, sob a fronte alva e breve, como dois astros de ouro a arder num céu de neve. Mordia, por não rir, o lábio úmido e langue, vermelho como um corte inda vertendo sangue...E falei-lhe de amor...


PIERROT


E ela?


ARLEQUIM


Ficou calada...
Meu amor disse tudo, ela não disse nada, mas ouviu , com prazer, a frase que renova
no amor que é sempre velho, a emoção sempre nova!


PIERROT


Que lhe disseste enfim?


ARLEQUIM


O ardor do meu desejo,
a glória de arrancar dos seus lábios um beijo, a volúpia infernal dos seus olhos
devassos, o prazer de a estreitar , nervoso, nos meus braços, de sentir a lascívia heril dos seus meneios, esmagar no meu peito a carne dos seus seios!


PIERROT, assustado:


Tu ousaste demais...


ARLEQUIM, cínico:


Ingênuo! A mulher bela 
adora quem lhe diz tudo o que é lindo nela. Ousa tudo, porque todo o homem enamorado se arrepende, afinal, de não ter tudo ousado.


PIERROT


E ela?


ARLEQUIM


Vinha pelo ar, dos zéfiros no adejo, um perfume de amor lascivo como um beijo, como se o mundo em flor vibrasse, quente e vivo, no erotismo triunfal de um amor coletivo!
PIERROT, fremindo:


E ela?


ARLEQUIM


Ansiando, ouviu toda essa paixão louca, levantou-se...


PIERROT


Depois?


ARLEQUIM , triunfante:


Deu-me um beijo na boca!


Um silêncio cheio de frêmito. Os lírios tremem. Pierrot 
olha o crescente. Arlequim dá um passo, vê a brandura,
toma-a entre as mãos nervosas e magras e tange, distraído, 
as cordas que gemem.


ARLEQUIM


Linda viola.


PIERROT, alheado:


Bom som...


ARLEQUIM


Que musicais surpresas não encerra a mudez
destas cordas retesas...


Confidencial a Pierrot:


Olha: penso, Pierrot, que não existe em suma, entre a viola e a mulher, diferença nenhuma. Questão de dedilhar, com certa audácia e calma, numa...estas cordas de aço, e na outra...as cordas d’alma!


Suavemente, exaltando-se:


O beijo da mulher! Ó sinfonia louca da sonata que o amor improvisa na boca... No contado do lábio, onde a emoção acorda, sentir outro vibrar, como vibra uma corda... À vaga orquestração da frase que sussurra ver um corpo fremir tal qual uma bandurra...Desfalecer ouvindo a música que canta no gemido de amor que morre na garganta...Colar o lábio ardente à flor de um seio lindo, ir aos poucos subindo...ir aos poucos subindo...até alcançar a boca e escutar, num arquejo, o universo parar na síncope de um beijo!


Eis toda a arte de amar! Eis, Pierrot fantasista, a suprema criação da minha alma de artista. Compreendes?


PIERROT, ansiado:


E a mulher?


ARLEQUIM, lugubremente:


A mulher? É verdade...
Levou naquele beijo a minha mocidade.


PIERROT


E agora? Onde ela está?


ARLEQUIM, ironicamente místico:


No meu lábio, no ardor desse beijo, que é todo um romance de amor!


Seduzido pela angústia da saudade:


No temor de pedi-lo e na glória de tê-lo...
No gozo de prová-lo e na dor de perdê-lo...
No contato desfeito e no rumor já mudo...
No prazer que passou...Nesse nada que é tudo: 
O passado!... a lembrança... a saudade... o desejo...


Balbuciando:


Um jardim... Um repuxo...Uma mulher... Um beijo....
(Longo silêncio cheio de evocação e de cismas).






PIERROT, ingenuamente:


É audaciosa demais a tua história...


ARLEQUIM, ríspido:


Enfim,
um Arlequim, Pierrot, é sempre um Arlequim. Toda história de amor só presta se tiver, como ponto final, um beijo de mulher!


O SONHO DE PIERROT II


PIERROT


Eu também, Arlequim, nesta vida ilusória, como todos Pierrots, eu tenho uma história, vaga, talvez banal, mas triste como um cântico...


ARLEQUIM, sarcástico:


Não compreendo um Pierrot que não seja romântico, branco como o marfim, magro como um caniço, enchendo o mundo de ais, sem nunca passar disso.


PIERROT


Debochado Arlequim!
ARLEQUIM


Branco Pierrot tristonho...
PIERROT


Teu amor é lascívia!


ARLEQUIM


E o teu amor é sonho...


PIERROT


É tão doce sonhar!... A vida , nesta terra, vale apenas, talvez, pelo sonho que encerra. Ver vaga e espiritual, das cismas nos refolhos, toda uma vida arder na tristeza de uns olhos; não tocar a que se ama e deixar intangida aquela que resume a nossa própria vida, eis o amor, Arlequim. , misticismo tristonho, que transforma a mulher na incerteza de um sonho....
ARLEQUIM, escarninho:


Esse amor tão sutil que teus nervos reclama só se aplica aos Pierrots?


PIERROT


Não! A todos os que amam!
Aos que têm esse dom de encontrar a delícia na intenção da carícia e nunca na carícia...Aos que sabem, como eu, ver que no céu reflete a curva do crescente, um vulto de Pierrette...


ARLEQUIM, zombeteiro:


Eterno sonhador! Tu crês que vive a esmo tudo aquilo que sai de dentro de ti mesmo. Vês, se fitas o céus, garota e seminua, Colombina sentada entre os cornos da lua...Quanta vezes não viste o seu olhar abstrato nos fosfóreos vitrais das pupilas de um gato?


PIERROT


Essas frases cruéis, que mordem como dentes, só mostram, Arlequim, que somos diferentes. Mas minha alma, afinal, é compassiva e boa: não compreendes Pierrot. E Pierrot te perdoa...


ARLEQUIM


Tua história, vai lá! Senta-te nesse banco. Conta-me: “Era uma vez um Pierrot muito branco...”
A história de um Pierrot sempre nisso consiste... Começa.


PIERROT narrando:


“Era uma vez... um Pierrot... muito triste... “


Uma voz, na distância, corta, argentina, a narração de Pierrot.


A VOZ


Foi um moço audaz, que vejo
no meu sonho claro e doce,
O amor que primeiro amei..
Abraçou-me: deu-me um beijo
e, depois, lento, afastou-se,
e nunca mais o encontrei.


Num ser pálido e doente
resume-se o que consiste
o segundo amor que amei.
Ele olhou-me tristemente...
Eu olhei-o muito triste...
E nunca mais o encontrei!


Esse amor deu-me o desejo
daquele beijo encontrar.
Mas nunca, reunidas, vejo,
a volúpia desse beijo,
e a tristeza desse olhar...


A voz agoniza nos ecos. Pierrot e Arlequim tendem o ouvido procurando no ar mais uma estrofe.


ARLEQUIM


Essa voz...


PIERROT


Essa voz...


ARLEQUIM


Só de ouvi-la estremeço...


PIERROT


Eu conheço essa voz!


ARLEQUIM


Essa voz eu conheço...


Um sopro de brisa arrepia as plantas.


PIERROT
Escuta...


ARLEQUIM


Escuta...
PIERROT
Ouviste?


ARLEQUIM
Um sussurro...


PIERROT


Um lamento...


ARLEQUIM


Foi o vento talvez.


PIERROT


Sim. Talvez fosse o vento.


ARLEQUIM


Conta a história, Pierrot.


Pierrot continuando:


Numa noite divina
como tu, num jardim, encontrei Colombina. Loira como um trigal e branca como a lua.


ARLEQUIM


Era loira também?


PIERROT


Tão loira como a tua...
Eu descera ao jardim quebrado de fadiga. Dançavam no salão...


ARLEQUIM, interrompendo:


... uma pavana antiga,
e notaste ao luar a cabeleira crespa...


PIERROT


... a anca em forma de lira...




ARLEQUIM


... e a cintura de vespa!


PIERROT


Mãos mimosas, liriais...


ARLEQUIM


Em minúcias te expandes!


PIERROT


Um pé muito pequeno...


ARLEQUIM


Uns olhos muito grandes!
Uma mulher igual à que encontrei na vida?


PIERROT, ofendido:


Enganas-te, Arlequim, nem mesmo parecida!
Era tal a expressão do seu olhar profundo, 
que não pode existir outro igual neste mundo!
Felinamente ardia a íris verdoenga e dúbia,
como o sinistro olhar de uma pantera núbia.


Esses olhos fatais lembravam traiçoeiras
feras, armando ardis nos fojos das olheiras!
Tão vivos que, Arlequim, desvairado, os supus
duas bocas de treva e erguer brados de luz!
Tripudiavam o bem e o mal nos seus refolhos.


ARLECRIM, cismando:


Essas coisas também ardiam nos seus olhos...


PIERROT


Tive medo, Arlequim! Vendo-os, num paroxismo
eu tinha a sensação de estar sobre um abismo.
Não sei porque o olhar dessa estranha criatura 
era cheio de horror...e cheio de doçura!
Eu desejava arder nessas chamas inquietas...
ARLEQUIM


Tendo o fim dos Pierrots?


PIERROT


Tendo o fim dos Poetas!
Aconcheguei-me dela, a alma vibrante louca, o coração batendo...


ARLEQUIM


E beijaste-lhe a boca.


PIERROT, cismarento:


Não...Para que beijar? Para que ver, tristonho, no tédio do meu lábio o vácuo do meu sonho... Beijo dado, Arlequim, tem amargos ressábios...
Sempre o beijo melhor é o que fica nos lábios,
esse beijo que morre assim como um gemido,
sem ter a sensação brutal de ser colhido...


ARLEQUIM


E que disse a mulher?


PIERROT


Suspirou de desejo...


ARLEQUIM , mordaz:


Preferia, bem vês, que lhe desses um beijo!


PIERROT


Não. Ela olhou-me. Olhei... E vi que, comovida, sentiu que , nesse olhar, eu punha a minha vida...


Um silêncio cheio de angústias vagas.
Sob o luar claro as almas brancas dos
Lírios evocam fantasmas de emoções
mortas. Os espectros das memórias
parecem recolher, como numa urna invi-
sível, a saudade romântica de Pierrot...




ARLEQUIM, tristonho:
Essa história, Pierrot, é um pouco merencória...


PIERROT


A história desse olhar é toda a minha história.


ARLEQUIM
E não a viste mais?


PIERROT


Nem sei mesmo se existe...


ARLEQUIM, contendo o riso:


É de fazer chorar! Tudo isso é muito triste!


Tomando-o pelo braço, confidencialmente:


Entretanto, ouve aqui, à guisa de consolo:
diante dessa mulher...foste um Pierrot bem tolo!
Aprende, sonhador! Quando surgir o ensejo,
entre um beijo e um olhar, prefere sempre um beijo!


PIERROT, desconsolado:


Lamentas-me Arlequim?
ARLEQUIM


Tu não compreendeste: choro não ter colhido o beijo que perdeste.


O AMOR DE COLOMBINA II


Uma voz que canta se aproxima.


A VOZ


Esse olhar deu-me o desejo
daquele beijo encontrar,
mas nunca , reunidas, vejo
a volúpia desse beijo
e a tristeza desse olhar!


PIERROT , extasiado:


Escutaste, Arlequim, que cantiga tão bela?


ARLEQUIM


Era dela esta voz?


PIERROT


Esta voz era dela...


Arlequim está imerso na sombra e um raio de luar ilumina
Pierrot. Entra Colombina trazendo uma braçada de flores.




COLOMBINA, vendo Pierrot:


Tu? Que fazes aqui?


PIERROT
Espero-te, divina...A sorte de um Pierrot é esperar Colombina!


COLOMBINA


Pela terra florida, olhos cheios de pranto, eu procurei-te muito...


PIERROT


E eu esperei-te tanto!


COLOMBINA


Onde estavas, Pierrot? Entre as balsas amigas, tendo no peito um sonho e no lábio cantigas, dizia a cada flor: “Mimosa flor, não viste um Pierrot muito branco...”


PIERROT


Um Pierrot muito triste...


COLOMBINA


E respondia a flor: “Sei lá... Nestas campinas passam tantos Pierrots atrás de Colombinas...” E eu seguia e indagava: “Ó regato risonho: não viste, por acaso, o Pierrot do meu sonho? “ E o regato correndo e cantando, dizia: “Coro e canto e não vejo” - e cantava e corria... Nos céus, ergendo o olhar, eu via, esguio e doente, o pálido Pierrot recurvo do crescente...
Assim te procurei, entre as balsas amigas, tendo no peito um sonho e no lábio cantigas, só porque, meu amor, uma noite, num banco, eu encontrara olhar de um triste Pierrot branco.


PIERROT


Não! Não era um olhar! Ardia nessa chama
toda a angústia interior do meu peito que te ama
Nosso corpo é tal qual uma torre fechada
onde sonha , em seu bojo, uma alma encarcerada.
Mas se o corpo é essa torre em carne e sangue erguida,
O olhar é uma janela aberta para a vida,
e, na noite de cisma, enevoada e calma,
na janela do olhar se debruça nossa alma
COLOMBINA, languidamente abraçada a Pierrot:


Olha-me assim, Pierrot... Nada mais belo existe
que um Pierrot muito branco e um olhar muito triste...
Os teus olhos, Pierrot, são lindos como um verso.
Minh’alma é uma criança, e teus olhos um berço
com cadências de vaga e, à luz do teu olhar,
tenho ânsias de dormir, para poder sonhar!
Olha-me assim, Pierrot... Os teus olhos dardejam!
São dois lábios de luz que as pupilas me beijam...
São dois lagos azuis à luz clara do luar...
São dois raios de sol prestes a agonizar...
Olha-me assim Pierrot... Goza a felicidade
de poluir com esse olhar a minha mocidade
aberta para ti como uma grande flor,
meu amor...meu amor...meu amor...


PIERROT


Meu amor!


Colombina e Pierrot abraçam-se ternamente. Há, como
um cicio de beijos, entre os canteiros dos lírios. Arlequim,
vendo-os, sai da treva e, com voz firme, chama.


ARLEQUIM


Colombina!
COLOMBINA, voltando-se assustada:


Quem é?
ARLEQUIM


Sou alguém, cuja sina foi amar, com Pierrot, a mesma
Colombina. Alguém que, num jardim, teve o sublime ensejo de beijar-te e jamais se esquecer desse beijo!


COLOMBINA, desprendendo-se de Pierrot:


Tu, querido Arlequim!


ARLEQUIM, galanteador:


Arlequim que te adora...Que te buscava há tanto e que te encontra agora.


COLOMBINA


E procurei-te em vão, mas te esperava ainda.


ARLEQUIM a Pierrot:


Ela está mais mulher...


PIERROT num êxtase:


Ai! Ela está mais linda!


ARLEQUIM, enfatuado, a Colombina:


És linda, meu amor! Nessa formas perpassa
na cadência do Ritmo, a leveza da Graça.
Teus braços musicais, curvos como perfídia,
têm a graça sensual de uma estátua de Fídias.
Não sendo inda mulher, nem sendo mais criança,
encarnas, grande viva, a Flor de Liz de França...
Sobe da anca uma curva ondulante que chega 
a teu corpo plasmar como uma ânfora grega
e é teu vulto triunfal, longo, heráldico, esgalgo,
coleante como um cisne e esbelto como um galgo!


COLOMBINA, fascinada:
Lindo!


ARLEQUIM


E não disse tudo... E não disse do riso
boêmio como ébrio e claro como um guizo.
E ainda não falei dessa voz de sereia
que, quando chora, canta, e quando ri, gorjeia...


Não falei desse olhar cheio de magnetismo,
que fulge como um astro e atrai como um abismo,
e do beijo, que como uma carícia louca...
inda canta em meu lábio e inda sinto na boca!


COLOMBINA com um voz sombria de volúpia:


Fala mais, Arlequim! Tua voz quente e langue 
tem lascivo sabor de pecado e de sangue.
O venenoso amor que tua boca expele,
põe-me gritos na carne e arrepios na pele!
Fala mais, Arlequim! Quando te escuto, sinto
O desejo explodir das potências do instinto,
O brado da volúpia insopitada, a fúria,
do prazer latejando em uivos de luxúria!
Fala mais, Arlequim! Diz o ardor que enlouquece
a amada que se toca e aos poucos desfalece,
e que, cega de amor, lábio exangue, olhar pasmo,
agoniza num beijo e morre num espasmo.
Fala mais, Arlequim! Do monstruoso transporte 
que, resumindo a vida, anseia pela morte,
dessa angústia fatal, que é o supremo prazer
da glória de se amar, para depois morrer!


PIERROT, num soluço:


Ai de mim!...


COLOMBINA, como desperta:


Tu Pierrot!


PIERROT, num fio de voz:


Ai de mim que, tristonho, trazia
à tua vida a oferta do meu sonho...Pouca coisa, porém... Uma alma ardente e inquieta arrastando na terra um coração de poeta.
Na velha Ásia, a Jesus, em Belém, um Rei Mago, não tendo outro partiu através de
Cartago, atravessando a Síria, o Mar Morto infinito, a ruiva e adusta Líbia, o mudo e fulvo Egito, as várzeas de Gisej, o Hebron fragoso e imenso, só para lhe ofertar uns grânulos de incenso... Também vim, sonhador, pela vida, tristonho, trazer-te o meu amor no incenso do meu sonho.


COLOMBINA com ternura:


Como te amo, Pierrot...




ARLEQUIM


E a mim, cujo desejo te abriu o coração com a chave do meu beijo? A tua alma era como a Bela Adormecida: o meu beijo a acordou para a glória da vida!


CALOMBINA fascinada:


Como te amo, Arlequim!...


PIERROT


desvairado pelo ciúme, apertando-lhe os pulsos,
numa voz estrangulada:


A incerteza que esvoaça desgraça muito mais do que a própria desgraça. Escolhe entre nós dois... Bendiremos os fados sabendo o que é feliz, entre dois desgraçados!


ARLEQUIM


Dize: Queres-me bem?


PIERROT:


Fala: gostas de mim?


COLOMBINA, hesitante:


A Pierrot:


Eu amo-te , Pierrot...


A Arlequim:


... Desejo-te, Arlequim...


ARLEQUIM, soturnamente:


A vida é singular! Bem ridícula, em suma... Uma só, ama dois... e dois amam só uma!..


COLOMBINA , sorrindo e tomando ambos pela mão:


Não! Não me compreendeis... Ouvi, atentos, pois meu amor se compõe do amor de todos dois... Hesitante, entre vós, o coração balanço:
A Arlequim:


O teu beijo é tão quente...


A Pierrot:


O teu sonho é tão manso...


Pudesse eu repartir-me e encontrar minha calma dando a Arlequim meu corpo e a Pierrot a minh’alma! Quando tenho Arlequim, quero Pierrot tristonho, pois um dá-me o prazer, o outro dá-me o sonho!
Nessa duplicidade o amor todo se encerra: um me fala do céu... outro fala da terra!
Eu amo, porque amar é variar, e em verdade toda a razão do amor está na variedade...
Penso que morreria o desejo da gente, se Arlequim e Pierrot fossem um ser somente,
porque a história do amor pode escrever-se assim:


PIERROT
Um sonho de Pierrot...


ARLEQUIM


E um beijo de Arlequim!



.


PERSONAGENS:
Arlequim : Um desejo
Pierrot : Um Sonho
Colombina: A Mulher

Nenhum comentário:

Postar um comentário