quinta-feira, 31 de maio de 2012

Dispenso os que se economizam


‎"Não quero os amores mudos, que poupam expressões. 
Sou adepta dos telefonemas fora de hora com todos ou nenhum motivo pra acontecer, do cuidado cotidiano, do ócio compartilhado, dos beijos, abraços e amassos desavisados, não como selantes de uma briga mas como partes dela, contraditoriamente etapas de um confronto. 
Afetos e afagos em banco de praça, acampamento no meio da sala, dança improvisada. 
Declarações imprevisíveis, inéditas, impensáveis até pelo próprio fomentador, traído pelo coração tagarela. 
Dispenso os que se economizam."


Nenhum comentário:

Postar um comentário