quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Amor não é amor...



De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça. Amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera
Ou se vacila ao mínimo temor.

Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
È astro que norteia a vela errante
Cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfanje não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,

Antes se afirma, para a eternidade.
Se isto é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.


Soneto 96 - William Shakespeare

domingo, 26 de agosto de 2012

A estrela espatifada.



Há trinta e quatro anos uma estrela caiu do céu.
Com a queda partiu-se em milhões de pedaços.
Feliz daquele que teve por algum tempo um desses pedacinhos nas mãos, que teve sua vida iluminada por uma fagulha do seu brilho. Feliz daquele que acompanhou por algum tempo, essa estrela partida tentando juntar seus pedaços.
 Feliz dessa estrela por ter conhecido, compartilhado, amado, chorado e principalmente sorrido com tantas pessoas maravilhosas, que a ajudaram e ajudam a fazer da sua história, algo emocionante, inverossímil e impar.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Porque era bobagem ter razões alheias para fazer as coisas.


[...] Porque era bobagem ter razões alheias para fazer as coisas. 
Seria muito melhor se ela fosse uma daquelas pessoas, como Richard, que fazia as coisas por si mesmas, ao passo que  ela, pensou, esperando para cruzar a rua, fazia as coisas, a metade do tempo, não simplesmente por si mesmas; mas para que as pessoas pensassem isso ou aquilo; perfeita idiotice, ela sabia, pois nunca ninguém, por um segundo sequer, se deixava enganar. Ah, se ela pudesse começar a vida outra vez! pensou, pisando no passeio, ela poderia ter até mesmo uma aparência diferente!

Virginia Woolf in: Mrs. Dalloway

Não sabia como tinha feito para se arranjar na vida com os poucos fiapos de conhecimento que lhe tinham sido passados...


Não diria de ninguém no mundo, agora, que era isso ou  aquilo. 
Sentia-se muito jovem; ao mesmo tempo, indescritivelmente envelhecida. 
Passava como um bisturi através de tudo; ao mesmo tempo, ficava do lado de fora, assistindo. 
Tinha a perpétua sensação, enquanto observava os táxis, de estar longe, longe, muito longe, no meio do mar, e só; tinha sempre o sentimento de que viver, mesmo um único dia, era muito, muito perigoso.
Não que se julgasse inteligente ou muito fora do comum. 
Não sabia como tinha feito para se arranjar na vida com os poucos fiapos de conhecimento que lhe tinham sido passados...

Virginia Woolf in: Mrs. Dalloway

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Que coisa imbecil, o Amor!



– Resmungou o estudante, afastando-se. 
– Nem vale a utilidade da Lógica, porque não prova nada, está sempre prometendo o que não cumpre e fazendo acreditar em mentiras. Nada tem de prático e como neste século o que vale é a prática, volto à Filosofia e vou estudar metafísica.
Retornou ao quarto, tirou da estante um livro empoeirado e pôs-se a ler...

Oscar Wilde in: O Rouxinol e a Rosa 

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O novo morador me trouxe lembranças de presente.

Ele chegou há um pouco mais de um mês com uma carinha que não deu para resistir.
Eu adoro essas coisinhas.
Apesar de....
Esse em especial, me fez lembrar  de meu pai e meu irmão (saudades), riamos muito juntos.




Acho curioso como me identifico com as frases dessa turminha:



Linus: "- Eu nunca mais vou ter que ir à escola."
Lucy: "- Mas as férias de verão só duram 2 meses."
Linus "- Para uma pessoa como eu 2 meses é uma eternidade!"

Linus: "Irmãos e irmãs jamais deveriam pertencer a mesma família!"

Linus: "O objetivo da escola é estudar, estudar e estudar. Para ir para o segundo grau e estudar, estudar e estudar. Para ir para a faculdade e estudar, estudar e estudar. Para conseguir um bom emprego, constituir família e ter filhos. Filhos que vão para a escola... para estudar, estudar e estudar."

Linus: "Eu gosto da humanidade. O que eu não suporto são os humanos."

Linus: "Como você pode dizer que eu estou gordo? Estou apenas com estômago musculoso."

Linus: "Não falei que estou apaixonado por ela, simplesmente disse que gosto muito do chão que ela pisa..."

Linus: "Nenhum problema é tão grande ou tão complicado que não se possa fugir dele."

Linus vê uma folha caindo de uma árvore. Pára diante dela no chão e diz: "Você não será feliz aqui..."


Lucy: "Eu era mal humorada quando nasci, sou mal humorada hoje e serei mal humorada pro resto da minha vida... alívio!"

Lucy: "Se todos concordarem comigo, todos estarão certos!"

Lucy: "Eu estou em uma nova campanha para ser agradável com as pessoas."

Lucy: "Eu nunca cometi um erro na minha vida. Achei que tivesse cometido uma vez, mas eu estava errada."


Lucy: "- Schroeder, por que você nunca me mandou flores?"

Schroeder: "- Porque eu não gosto de você!"

Lucy: "- Você não gosta de mim né, Schroeder?"

Schroeder: "- Não. Na verdade eu nunca gostei de você e é provável que eu nunca venha gostar."

Lucy: "- Mas não vamos deixar isso atrapalhar o nosso eventual casamento, não é?"
Lucy: "- Olhe de outra maneira, Charlie Brown, nós aprendemos muito mais das falhas do que das vitórias."

Charlie Brown: "- Isto me faz a pessoa mais esperta do mundo!"

Charlie Brown: "É melhor ter amado e perdido do que nunca ter amado na vida."

Charlie Brown: "Nada como um amor não correspondido para tirar todo o sabor do sanduíche de manteiga de amendoim..."


Charlie Brown: "Sabe, Linus, eu tô desenvolvendo uma nova filosofia: 
Eu só preciso suportar um dia por vez."

Charlie Brown: "Esse é o segredo da vida: Substituir uma preocupação por outra."



Charlie Brown: "Deve haver milhões de pessoas em todo o mundo que nunca receberam uma carta de amor... Eu poderia ser seu líder."

Lucy: "- Olhe para os besouros estúpidos! Eles não têm a menor ideia de como e o que está a acontecer nesse mundo."

Charlie Brown: "- O que se passa neste mundo?"

Lucy: "- Eu não tenho a menor ideia!"