terça-feira, 9 de outubro de 2012

Não possui delicadeza de coração


[...]a sua alegria é sem espírito, alegria de caserna, não tem talento e é perdulário. É um desses homens que o céu criou para comer e digerir quatro refeições por dia, dormir, amar a primeira que lhe aparece e bater-se. Não compreende a vida. O seu bom coração, porque o tem, levá-lo-á talvez a dar a bolsa a um desgraçado, a um camarada; porém, é um indiferente, e não possui essa delicadeza de coração que nos torna escravos da felicidade de uma mulher; é ignorante, egoísta... e muita coisa mais.

Honoré de Balzac in: A Mulher de Trinta Anos




Nenhum comentário:

Postar um comentário